Projetos - Reflorestando Cérebros



PROJETO: "TEM VISIBILIDADE? OLHE PARA NÓS"!

Descrição de imagem: Foto de fundo branco com uma armação de óculos redonda, divertida e sem as lente.

A imagem acima foi escolhida para ilustrar a frase: "Se lhe derem uns óculos sem as lentes, cuidado! É armação." Uma alusão aos sites, estabelecimentos, eventos e pessoas que usam as palavras INCLUSÃO e ACESSIBILIDADE, como marketing, sem realmente prezar por isso. Lembre-se: nunca faça nada para PcD (Pessoa com deficiência) sem ouvi-la. 

Esse projeto nasceu pós ida ao Rock in Rio/2011. Tamanha fora a negligência dos Srs. Organizadores relativamente a falta da - tão sonhada - ACESSIBILIDADE, que resolvi interagir com a sociedade. Inteiração essa que só tomará corpo se somada com a vontade de CADA UM LEITOR que, também tenha por meta, um Planeta MELHOR para todos! Eis a força da REDE DA SOLIDARIEDADE!

            
Partindo da minha crônica - "UM MUNDO PIOR PARA TODOS" - registrando a minha passagem pela Cidade do Rock, aliada ao total DEBOCHE dos organizadores, foi que brotou a ideia de envolver a todos que, de alguma forma, tenham VISIBILIDADE para que abracem a nossa luta.


*** CONTEÚDO/PROPOSTA:
           
        A proposta é bem singela. Não envolve dinheiro/recursos, mas, tão-só, espírito de SOLIDARIEDADE e AMOR AO PRÓXIMO.

            Apesar de uma farta legislação sobre o assunto, muito pouco temos feito para diminuir as diferenças no que concerne a ACESSIBILIDADE física, de informação/comunicação e atitudinal. Esse desrespeito parece ser CULTURAL! Não é possível que, por exemplo, num evento tão grande, tanto do ângulo estrutural, quanto do comunicacional os Srs. Organizadores não tenham tido a preocupação de contratar uma Equipe com conhecimento na área. Afinal, somos igualmente SERES HUMANOS!
            Abaixo informo aos amigos alguns dos pontos que constatei como DESUMANOS, a fim de que também possam avaliar se tenho razão.

            1 - PORTÃO ESPECIAL - De cara faço meu protesto com relação a existência de um portão especial que atinja o seu objetivo. No site do Rock in Rio havia essa indicação. Daí é que fui, com minha filhota, procurar esse oásis! Loucura total! Absurdo ser o 1º portão destinado ao grande público. Óbvio que se temos deficiência nosso portão deveria vir antes dos outros, não acham justo? andar cerca de + 1 KM até achar o especial e ficarmos quietos é não nos amarmos! Ninguém, absolutamente ninguém, sabia dar informação onde achá-lo. Diziam: DEVE SER LÁ NA FRENTE. Ou: DEBAIXO DAQUELE VIADUTO. Ou: NÃO TENHO A MENOR IDEIA. Fomos caminhando sozinhas porque o fluxo terminara no principal. Sobre os assaltos não precisamos falar agora, já que a mídia foi forte nesse sentido!

            2 - FALTA DE CLAREZA NAS INFORMAÇÕES: O portão especial estava assim no sit: DO PRINCIPAL É O ESPECIAL O ÚLTIMO DO LADO ESQUERDO EXTREMO. Inimaginável entender isso! Total desrespeito! O que significa o último do lado esquerdo extremo???

            3 - RÁDIO E DESRESPEITO - Procurei - com + de 20 prepostos - banheiros e locais destinados aos deficientes e NÃO foram encontrados pelos prepostos. Mesmo com o auxílio de rádio ninguém sabia nada de nada. O pior é que passavam o rádio na nossa frente e diziam: ESPEREM AQUI QUE VIRÁ UM PROMOTOR DO EVENTO BUSCAR VOCÊS. E ficávamos ao Deus dará! Ninguém aparecia. Fomos feitos de tolos inúmeras vezes! Voltaremos a ser os "BOBOS DA CORTE"?

            4 - BANHEIROS QUÍMICOS - Só encontrei UM. Ainda assim foi minha filhota quem avistou e não qualquer preposto que tenha dado informação. O lema era "CADA UM POR SI E DEUS POR TODOS"! Mesmo assim a pia era do lado de fora e tinha um grande degrau que nenhum cadeirante poderia subir. Senti bem a sua altura com a MINHA BENGALA! Enorme!

            5 - ÔNIBUS COM ELEVADOR - Total falta de respeito com os cadeirantes! Eles terem que "fechar" suas "pernas" para colocá-las no bagageiro! E terem que ser carregados para a poltrona do ônibus por estranhos despreparados! Um absurdo! Temos que nos ater que a tecnologia é para o deficiente parte INTEGRANTE de seu corpo. Vale dizer que separar o cadeirante de sua cadeira é total FALTA DE HUMANIDADE. A cadeira de rodas faz parte do deficiente, pelo que não se pode conceber que num evento do porte do ROCK IN RIO não houvesse disponibilidade financeira para ônibus com ELEVADOR! Na verdade as autoridades competentes NÃO fiscalizam o transporte público, ficando com a sociedade essa GRITA!

            6 - ÔNIBUS PARA OS IDOSOS E OUTROS - Também há que ser ressaltado que os ônibus com elevadores não servem apenas para atender os deficientes. Basta consultar as recentes pesquisas para verificar que as pessoas estão vivendo bem mais. Vale dizer, pois, que os IDOSOS estão aumentando e que precisam ter seus direitos respeitados! Encontramos muitos idosos com seus netos e sem respeito! Andar 1,5 KM até o portão principal e mais 1 KM até o nosso especial é um abuso! Também existiram grávidas, pessoas com membros engessados, recém operados que precisariam de elevador no ônibus. Além do que estes teriam que ir até os portões. É o nosso direito de ir e vir com respeito e liberdade!

            7 - RAMPAS INCLINADAS - As rampas, por conta da irregularidade do terreno, não estavam TODAS adequadas para os cadeirantes e outras pessoas. Muitas, pelas quais passei, estavam extremamente inclinadas. Algumas tão íngremes que tive que pedir ombro amigo para me apoiar com temor dos pés deslizarem. Para dar pseudo acesso foram colocadas madeira revestidas com grama artificial numa lambança só! Percorri toda a Cidade do Rock, até porque estava acompanhando adolescentes (filha e amigas). A curiosidade das meninas me fizeram vistoriar "tintim por tintim" daquele gigantesco espaço. Dava para perceber que os encarregados que fizeram os acessos não nutriam o menor conhecimento  da legislação VIGENTE e - escandalosamente - a IGNORARAM com a chancela das autoridades! E nós? Calaremos?

            8 - CONDUÇÃO PARA OS DEFICIENTES - Claro é que teríamos que ter um cuidado especial para chegar ao nosso portão. Pelo menos segurança do evento. Deixar os deficientes caminhando sozinhos numa área irregular e sem segurança é brutal! Fora do contexto e razoabilidade! Sr. ROBERTO MEDINA! Onde esteve o senhor todo o tempo?

            9 - TÁXIS ATÉ O PORTÃO PARA DEFICIENTES - Táxi é transporte para o público e a legislação é clara ao determinar que tem que atender as pessoas em geral. Aristóteles, em tempos remotos, já sugeria que deveríamos tratar os desiguais na medida/proporção de suas desigualdades. Logo, para nós os táxis deveriam ir até o portão especial! Evidente! Muita insensibilidade do nosso Prefeito e dos Srs. Organizadores terem nos exposto ao sabor da sorte! Temos que repensar as URNAS! Reeleger quem NÃO fez por nós é "MERECER O SOFRIMENTO"!

            10 - ACESSIBILIDADE DE INFORMAÇÃO E ATITUDINAL - Se não se preocuparam em colocar a acessibilidade física, deveriam, quando começaram as denúncias, terem os organizadores primado pelas acessibilidades de informação e atitudinal. Ao contrário, os prepostos permaneceram a dizer que DE NADA SABIAM! Como não nos damos o respeito é que empresários, prefeitos e demais semelhantes não nos veem.

            11 - CEGOS "PERDIDOS NO TIROTEIO" - Num mega evento com cem mil pessoas seria IMPOSSÍVEL a locomoção com bengala sem um local marcado. Não havia piso tátil fazendo a marcação dos acessos principais! Um recurso de tão baixo custo teria que compor o ambiente! Inacreditável! Ora, se tínhamos um portão especial é coerente deduzirmos que nos conduziria a algum local especial/acessível! Sabem aquelas escadas que não levam a nenhum lugar? As vezes terminam numa parede!

            12 - SITE INFORMAVA LOCAL PARA CADEIRANTES - Lamentável a incompetência dos Srs. Organizadores. Havia no site indicação de local destinado aos CADEIRANTES. Mas, e os outros segmentos das deficiências? Qual a razão de terem sido EXCLUÍDOS? A denominação justa deveria ser LOCAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA e não para os CADEIRANTES! Ora, se havia um portão especial para pessoas com necessidades especiais (deficientes, idosos, gestantes, etc.) deveria, logicamente, ser marcado com todos os recursos de acessibilidade compatíveis com cada necessidade, não acham? Pois é! Mas nada havia e, o que é pior, um bombeiro que me disse estar no local desde as obras nem o local destinado aos cadeirantes conhecia. Chegou a dizer que tal local NÃO EXISTIA FISICAMENTE! Cruel, né?

            Pelo Twitter passei as madrugadas a interagir com cada mensagem do @rockinrio sem sucesso. Num tuite  - parecendo IRONIA - disseram que havia certa camiseta escrita em braile. Já noutro informavam que haviam colocado um telão para a transmissão do evento na Cidade de Deus.

            É nesse clima de absoluto DESCASO que vamos tocando a nossa vidinha. Basta! Não acham?

            Hoje em dia o empresário há que estabelecer a CULTURA DA COOPERAÇÃO. Certamente é a judicialização o pior caminho! Nem é preciso comentar sobre a máquina judiciária! Então, temos que resolver nossas pendengas de forma a fugir do Poder Judiciário. Pensei na REDE DA SOLIDARIEDADE.

            Confabulei com os "meus botões": E se envolvêssemos pessoas com alguma VISIBILIDADE? Por exemplo, artistas, jornalistas, blogueiros, etc.. Esses contatos seriam via Twitter que é bem simples e curto. A ideia é entrarmos nos contatos e solicitarmos que abracem  o projeto "TEM VISIBILIDADE? OLHE PARA NÓS"!

            A rede da solidariedade consiste numa simples pergunta: NESSE LOCAL HÁ ACESSIBILIDADE? Eis a simples indagação que os detentores de alguma visibilidade hão que fazer aos empresários que tiverem contato. Por ilustração, lembro dos cantores e atores/artistas que assinam contrato para eventos/shows/peças. Ao terem contato com quem os esteja contratando farão a pergunta: NESSE LOCAL HÁ ACESSIBILIDADE?

            Só isso! De longe pediríamos que  - não havendo acessibilidade - deixem de contratar. Claro que não! Apenas com a pergunta a semente/reflexão já estaria semeada. Simples assim. Ser mais realista que o rei é burrice!

            Pós reflexão atos singelos começarão. Uma rampa, um cardápio em braille, um banheiro adaptado, LIBRAS, etc...

            Essa cultura do descumprimento das leis só irá melhorar com esses toques. Nesse terceiro milênio o empresário que não desenvolver o seu ponto de DEUS no cérebro estará fadado ao insucesso. Hão que desenvolver seus cocientes espirituais, de modo a propiciar aos empregados, bem como a todos que com eles contratem um maior bem-estar. Esse conforto não pode somente ser voltado para as florestas, redução dos gases nocivos, término das queimadas, etc.. Temos, sim, que reflorestar os nossos cérebros que, na grande maioria, estão áridos e apresentando sérias rachaduras. É o solo que tem que ser tratado! Daí, sim, começaremos a nos amar. Em consequência, amar o outro. Por fim, amar o Planeta. É o homem seu pior predador.

            Do jeito "meio que não quer nada", construiremos o todo, pelo que CONVIDO aos leitores amigos que abracem esse projeto "TEM VISIBILIDADE? OLHE PARA NÓS!"

Carinhosamente.

DEBORAH PRATES (cachogente) e JIMMY PRATES (pessocão)

            "SOMOS TODOS ANJOS DE UMA ASA SÓ. PRECISAMOS NOS ABRAÇAR PARA PODER VOAR". (autor desconhecido)

*********


REFLORESTANDO NOSSOS CÉREBROS PARA UM PLANETA VERDE!

            ÓBVIO! Como precisamos olhar no espelho e nos dizer o ululante. Antes de falar para a sociedade se faz imprescindível uma conversa com o nosso cérebro. De nós para nós. Para um PLANETA VERDE precisamos, verdadeiramente, REFLORESTAR OS NOSSOS CÉREBROS. O desmatamento, superaquecimento, derretimento das calotas polares e tudo mais que precisa ser revisto para a existência do homem na Terra há que ter o pontapé inicial na recuperação  das mentes humanas que estão necrosadas em sua grande maioria. Incrível como uma "laranja podre contamina as demais"! 

No novo amanhecer ainda vemos uma esperança nos corações tão complicados/intricados. Pós HORROR humanitário ocorrido na escola do Rio de Janeiro é que tudo quanto já "estava na cara" passa a ser dito. Ouvimos do nosso Governante a qualificação do criminoso como "ANIMAL". Então, é que paramos para fazer um paralelo desse conceito com o pensamento de Mahatma Ghandi: "A grandeza de uma nação e o seu progresso moral, podem ser avaliados pela forma como tratam os seus animais." Bullying de alunos tem a idade da humanidade. Rendemos graças ao Criador pela conscientização do tema agora pelos nossos Tribunais. Repetidas vêm sendo as decisões condenando colégios por todo o Brasil. 

Fiquei cega faz 5 anos. Nessa hora de profunda mudança de realidade foi que minha filha  (12 anos à época) foi mais uma vítima do bullying. A razão? Pasmem! Por conta de BERE - minha bengala - que deixou minha filhota vulnerável a todo tipo de piadas e humilhações. "AMIGAS" que frequentavam a nossa casa desde o maternal foram as vilãs. Fomos isoladas ostensivamente. Sob os olhos da Direção e dos Responsáveis pelas crianças recaiu o singelo manto da INVISIBILIDADE. Todos fingiam nada ver. Tomando como paradigma o conto de Hans Christian Andersen, A ROUPA NOVA DO IMPERADOR, é que tem lugar o dito popular "O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER". Cruel! 

Por muita fé na vida foi que mantive o equilíbrio e consegui conduzir minha filha para que, por livre decisão, decidisse alçar voo para novo colégio também religioso, onde fomos recebidas pelo Padre reitor com honras de Chefe de Estado. Conseguimos digerir bem toda essa maldade praticada pelos que se diziam "amigos" e a vida vai muito bem obrigada. Mas nem todos têm igual estabilidade mental e emocional. O chamado "ANIMAL" pelo nosso Governante é um TRISTE exemplo desse desequilíbrio gerado pela própria SOCIEDADE. O "ANIMAL" foi mais uma vítima do bullying. Estaríamos morrendo com o próprio veneno? De acordo com relatos veiculados pela mídia o "ANIMAL" e seu amigo de escola eram chamados de RETARDADOS e isolados. O que será que sentem e dizem os Senhores Dirigentes, Pais/Responsáveis e os próprios Alunos/Colegas do "ANIMAL" que despejaram nele suas maldades? 

Lamentavelmente constatamos que a MALDADE, inércia e outros males praticados pela sociedade se VOLTAM contra si com FÚRIA REDOBRADA. Em 2005, a sociedade - DEMOCRATICAMENTE - exercitou o seu direito de se pronunciar diretamente a respeito de questão de interesse geral. Disse NÃO no REFERENDO DO DESARMAMENTO. Duas foram as armas encontradas junto ao corpo do "ANIMAL". Uma  (com numeração raspada) indica ser subtraída da Polícia e outra desaparecida há mais de 18 anos, segundo a imprensa. Dias antes desse HORROR SOCIAL quase o RJ foi vítima de outro. 

Relembro a ordem partida do MEC/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, sendo chamados os Dirigentes das ESCOLAS ESPECIALIZADAS DO "IBC" e "INES", para que no próximo ano letivo não mais aceitassem matrículas de alunos CEGOS e SURDOS para o ensino básico. Inenarrável DESCALABRO! O argumento? A escola REGULAR. Seriam as escolas SECULARES do "IBC" e do "INES" IRREGULARES? Os que se classificam como NÃO "ANIMAIS" praticariam essas atrocidades sob a roupagem da INCLUSÃO. Tamanha e rápida fora a movimentação contra esses desvarios que o dito ficou pelo NÃO dito. 

O filósofo Aristóteles, em remotos tempos, já argumentava que se tratassem igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, nas proporções de suas desigualdades. Inacreditável que os doutores em educação não se deram conta que a primeira língua aprendida pelos surdos é a de SINAIS (LIBRAS), e, após o português. Os cegos, por ilustração, hão que aprender a ver o mundo com o tato para formar os elementares conceitos. Perda de tempo é repetir que as ditas escolas regulares não têm condições nem para formar alunos SEM deficiência, quem dirá alunos COM deficiência, valendo dizer com necessidades especiais. Também não precisa ser muito inteligente para captar que os alunos especiais seriam alvo das mais torpes formas de discriminação, melhor referenciando/atualizando o bullying. O já lembrado autor Andersen (1805), no conto AS CEGONHAS, muito bem mostra o bullying.


"UMA cegonha construíra seu ninho no telhado da última casa de um povoado. A mamãe cegonha estava sentada no ninho com seus filhotes, que assomavam seus biquinhos negros, pois ainda não haviam adquirido sua cor vermelha. Papai-cegonha estava a pouca distância, na beira do telhado, em pé e entorpecido, com um pé recolhido embaixo do corpo, fazendo de sentinela. ... 

Um grupo de garotos brincava na rua; e, ao ver a cegonha, um dos mais atrevidos, seguido pelos outros que lhe faziam coro, entoou uma cantiga a respeito das cegonhas, cantando -a meio de improviso: Vela por teu ninho, pai-cegonha, Onde te esperam três pequeninos. O primeiro morrerá de urna estocada, o segundo queimado E o terceiro enforcado. 

- Que dizem esses garotos? - perguntaram os filhotes. - Dizem que morreremos queimados ou enforcados? 

- Não façam caso - respondeu a mamãe-cegonha. - Não os ouçam, pois ninguém lhes fará nenhum mal. 

Mas os meninos continuavam cantando e apontando para as cegonhas; somente um, chamado Pedro, disse que era vergonhoso divertir-se à custa daquelas pobres aves e não quis imitar os companheiros. Mamãe-cegonha consolou seus pequeninos, dizendo- lhes:

- Não se preocupem com isso. Vejam seu pai como está firme em cima de um só pé. 

- Temos muito medo - replicaram os filhotes, escondendo as cabecinhas dentro do ninho. 

No dia seguinte, quando os meninos voltaram a brincar, viram novamente as cegonhas e repetiram a canção. 

- É verdade que morreremos queimados ou enforcados? - perguntaram de novo os filhotes. 

- De forma alguma! - replicou a mãe. - Vocês aprenderão a voar. Eu os ensinarei". 

Longe de ser a vida um programa de computador onde tudo está gerenciado como pensam os não "ANIMAIS". Por outro foco temos que repensar as nossas posturas nas urnas. A omissão também é crime. Quantas pavorosas lições tiramos desses últimos acontecimentos. E por ser advogada é que não preciso ter a isenção do jornalista, pelo que posso dizer aos Leitores que termino esse artigo em PRANTOS. Choro sobretudo pelas Famílias que foram dilaceradas com a brutalidade com que perderam seus entes amados. Choro em solidariedade ao futuro das crianças sobreviventes. Choro pelo mal que a sociedade / escola fez ao "ANIMAL" e que se voltou contra si em ira imensurável. Choro para que o Criador tenha compaixão da humanidade que é tão complexa. 

Rogo aos Leitores que se deixem contaminar pelo exemplo do personagem PEDRO - do trecho do conto de Andersen acima - de modo a se permitirem pensar no próximo como em si mesmos. Desejo que, como Fênix, tenhamos forças para renascer das próprias CINZAS! 


DEBORAH PRATES (delegada da CDPD/OAB/RJ)






SUSTENTABILIDADE HUMANA






                        Pós cegueira. Meus neurônios em total ebulição. Bombardeios de todo lado. Sentia-me andando em círculo tentando entender a razão das pessoas a minha volta terem me virado às costas! Equilíbrio sempre! Claro que manter o bom senso em momentos de transição é preciso estar em forma com o cérebro!

                        Como ambientalista foi que comecei a ver que o nosso discurso estava  começando pelo final! Como discutir o texto do novo Código Florestal, como dizer para um semelhante abraçar uma árvore, como conter o derretimento das calotas polares, como argumentar pelo não desmatamento, SE não conscientizarmos o próprio HOMEM de que está devorando a SI PRÓPRIO?

                        Cega leio muito mais do que quando enxergava. Noutro dia li e adorei um pensamento de autor desconhecido: "Somos todos anjos de uma asa só. Precisamos nos abraçar para poder voar".

                        Necessitamos nos conscientizar de que somos todos hóspedes nesse Planeta e que, quando chegar a hora de pagar a conta para a viagem de regresso, nosso lugar há que estar INCÓLUME para recepcionar o novo ciclo da espécie humana.

                        Parece que somos organismos livres - sem compromissos - e que dependemos de PREDAÇÃO para "sobreviver"! Assim, nos devoramos, nos destruímos!

                        A supressão do sentido da visão, para a sociedade, foi sinônimo da perda da minha capacidade intelectual! Cruel? Sim. Contudo, comportamento normal/comum. Não aprendemos a contemplar as DIVERSIDADES na natureza de forma consciente. Lembro de mostras de fotografias, bem como de cenas de filmes em que eram exibidas, como EXUBERANTES, árvores deficientes, com seus troncos fora do padrão, flores que tinham coloração longe do habitual da espécie, cavernas onde a biodiversidade só existia porque viu-se obrigada a inovar para sobreviver ...

                        No contraponto o homem não é capaz de perceber a beleza/exuberância noutro  igual que se apresente com características distintas da maioria considerada perfeita. Entendemos lindo um cão albino. A contrário senso discriminamos um homem albino! Dizemos: "Coitado"! É uma "barata descascada"! Um "sarará, sarassará"! Um animalzinho que deixa de crescer é tido como "fofinho". De outro ângulo, um homem com nanismo é chamado de "pintor de rodapé"!

                        Como diz um grande professor amigo: "É A CULTURA DA SUPERFICIALIDADE". HORRÍVEL!

                        Sem conhecimento dos fatos  foi que, desde o início da civilização, preconcebemos nossos semelhantes diferentes e, consequentemente, os discriminamos impiedosamente. Em tempos remotos já fomos tidos como impuros e, por isso, atirados contra paredões. Já fomos largados pelas escadarias das Igrejas a espera de esmolas. Já fomos deixados nas rodas dos enjeitados na esperança de que ela girasse para dentro de algum convento. Há cerca de 5 anos já fomos rejeitados, juntamente com nossas Famílias, pelos nossos vizinhos em decorrência de cegueira!

                        Indubitavelmente a cultura da hora é a da superficialidade. Aquele que ousar fugir ao estereotipo ditado pela sociedade certamente será DISCRIMINADO. Por exemplo, o que não couber na forma da indústria da moda, ou seja, acima do manequim tamanho "40", já será tido como "GORDO", pelo que DISCRIMINADO. Corpos malhados, sarados, "bombados" são exaltados. Contraditoriamente CHORA a sociedade nos enterros dos corpos vítimas da ANOREXIA!
                       

QUANDO DESPERTAREMOS?



                        SUSTENTABILIDADE HUMANA já! Doravante esse é o meu projeto de vida. Precisamos nos unir para recepcionar a campanha REFLORESTANDO OS NOSSOS CÉREBROS". A frase a ser trabalhada/divulgada é: "QUERO MEU CÉREBRO VERDE"!

                        As mentes humanas estão áridas e, em grande número, necrosadas! Solo rachado, ressequido nada produz. Temos que cuidar da base para, depois, reflorestá-la. Precisamos nos amar para, posteriormente, amar o outro. Daí será fácil, fácil preservarmos o Planeta.

                        A perpetuação da espécie humana tem seus chavões na cultura da paz e na rede da solidariedade.

                        Tenho sim a pretensão de, através desse blog, contribuir na planetária rede da solidariedade via diálogo. A cooperação há de ser a nova forma de fazer política! Pobre do empresário que, nesse terceiro milênio, pensar tão-só no lucro! Tolo daquele que não despertar o seu quociente espiritual. Idiota daquele que não exercitar o seu ponto de "DEUS" no cérebro! Não adianta tentarmos "pegar no tranco"! Mudanças de hábitos são lentas, razão pela qual reaprender a viver em sociedade é processo demorado, pelo que há que ser SUSTENTÁVEL, já que é cíclica a existência na Terra.


DEBORAH PRATES (delegada da CDPD/OAB/RJ)