sábado, 15 de março de 2014

Chuva, suor e Embaixadores da Alegria

CHUVA, SUOR E

EMBAIXADORES DA ALEGRIA




        Lá pelas 5:30h desci com Jimmy para o seu primeiro pipi e já percebi que estava serenando. Pensei com os meus botões: - Essa chuva tem cara de que vai durar... levo ou não levo Jimmy para desfilar logo mais na Marquês de Sapucaí?

        No decorrer do dia a chuva foi aumentando, aumentando e ouvi no rádio que o centro da Rio de Janeiro estava um lamaçal horrível por conta da greve dos garis. Os sacos de lixo e detritos mil entupiram os bueiros; foi quando decidi não levar Jimmy para preservar a sua saúde. Afinal, são meus olhos e o amor que sinto por ele é imensurável!

        Queiroz, o amigo cineasta me ligou avisando que seus assistentes passariam na minha casa para o prosseguimento das filmagens do nosso longa rumo ao Sambódromo. Calça e tênis brancos, imaginei com meus olhos cegos que retornariam negros... a blusa era em tons de azuis, verde, vermelho e branco, representando o time da Itália. O tema era futebol e a sua história a Embaixadores da Alegria contaria no curso do nosso desfile na abertura do sábado das campeãs.

        O relógio batia 17:00h e a bola rolou; lá fomos com a maior alegria brincar o final do Carnaval. Tão magra a amiga Berenice (minha bengala) passava por entre os pingos em direção à estação do Metrô escoltada pelas câmeras que eternizariam os mágicos momentos de 2014. O percurso foi pequeno, porém o suficiente para chegarmos todos molhados. No desembarque a convicção de que seria impossível para Jimmy
... chovia cântaros! Os ambulantes nos cercavam para a venda de capas e, é claro, já nos abrigamos nelas, muito embora de quase nada serviram diante do vento forte que soprava contra nós..

        Pronto, encontramos o local da concentração que já estava abarrotado de foliões com e sem deficiência ao som dos tamborins frenéticos. Absolutamente todos feito pintos molhados... maquiagens derretidas, babylisses e chapinhas desfeitas, mas quanta empolgação!

        Estávamos na boca da Marquês de Sapucaí no portão de entrada entre as arquibancadas que, por incrível que pudesse parecer, já com muita gente ensopada. A bateria esquentava enquanto 1.500 humanos se sacudiam e arrancavam as capas... Paul Davies e Caio Leitão, nossos queridos presidentes, do alto de um camarote, jogavam muitas bolas sobre nós e a gritaria foi total... e a galera delirou ao ouvir o puxador do Salgueiro anunciando a nossa entrada para começar o jogo... pura adrenalina... nenhum problema... só felicidade!

        "Delira a torcida, Pintou na avenida
        Embaixadores da Alegria
        Meu time é guerreiro, valente e na raça
        Faz mais um gol de placa"






        Cantávamos a letra contagiante do samba em meio as muitas alas que, num flash lotaram a avenida. A rainha da bateria (Down); a porta-bandeira (cadeirante); pessoas com nanismo, deficientes intelectuais, sensoriais, autistas, muletantes, bengalantes e pessoas sem deficiência fizeram o show que arrepiaram as arquibancadas. Muita chuva, suor e Embaixadores da Alegria... De quebra estava o amigo Fábio (andante em cadeira de rodas) que espantava a toda gente ao se levantar da cadeira para saudar aos presentes... a solidariedade imperava e, como complemento, rolavam as lágrimas, muitas lágrimas que, gostosamente, desembocavam nas nossas bocas.

        Gooooooooooooooollllllllllllllllllllllll!

        Experiência única, inesquecível e inenarrável que, para ser melhor, terá que contar com as presenças dos amigos leitores no Carnaval/2015.

        Vem pra Embaixadores você também... vem!

Carinhosamente.

DEBORAH PRATES


8 comentários:

  1. Respostas
    1. Muito obrigada, querida amiga Tula! Registro que foi ima inenarrável alegria ter dividido a Sapucaí com você + Elis. no carnaval 2015, temos que repetir a dose... Carinhosamente Deborah Prates

      Excluir
  2. Inspiradora a crônica, amiga Deborah, felicidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigos da RPB, mais uma vez muito obrigada ! Carinhosamente Deborah Prates

      Excluir
  3. Fiquei daqui vendo cada cena, cada passo, cada gota de chuva e me deliciando gostosamente com sua narrativa e pude observar querida amiga que a escuridão de teus olhos trouxe à tona o bem mais valioso a luminosidade de teu coração. Assim como a surdez de minha filha me fez ouvir o mundo e o que é melhor Deborah me fez ouvir o meu próprio mundo.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Katia, amiga querida, você é uma pessoa muito iluminada e sensível e é maravilhoso tê-la como nossa aliada na luta em prol de um Brasil sem deficiência. Sou sua fãzoca de carteirinha. Foi muito bom aquele nosso Congresso em Brasília, quando tivemos a oportunidade de nos conhecer. Carinhosamente Deborah Prates

      Excluir
  4. Olhos que vêem o que não vi, porque talvez eu estivesse preocupado em muito olhar.
    A sensibilidade, clareza de detalhes e facilidade de escrita fazem do texto de Deborah um deleite ao coração. Obrigado minha Amiga Deborah por sua amizade e companheirismo na Avenida dos Embaixadores e na estrada da vida. Fique com Deus. Fábio Guimarães - BLA - Busco Legados de Acessibilidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio, amigo do coração, ser amiga de um andante em uma cadeira de rodas é para poucos. Nossa, que maravilha seria se a humanidade fosse regada de mais Fábios... Penso que você deixará seu nome assinado nesse planeta... Carinhosamente Deborah Prates

      Excluir