terça-feira, 30 de julho de 2013

DROGAS: SOCIEDADE ANÔNIMA

 
 
 
RÁDIO CONTRAPONTO
www.exaluibc.org.br:8002/stream

CONVIDA!

...
PROGRAMA Acessibilidade em Foco.

DIA 1/8 (5ª FEIRA), ÀS 20:00h

1. Evento/tema: DROGAS SOCIEDADE ANÔNIMA.

2. Sinopse: Uma abordagem ampla sobre as DROGAS que nos leva a refletir
acerca da hipocrisia escancarada com que a coletividade trata o assunto.
O Convidado revela a sua preocupação quanto as injustiças previstas em
leis que, na maioria dos casos, leva ao crescimento da violência em
todos os seus patamares. Não fique fora dessa!

2.1. Tópicos que serão debatidos: a) propósito da Comissão de Políticas
sobre Drogas da OAB/RJ e Barra da Tijuca; b) políticas sobre drogas; c)
legislação no Brasil e no mundo; d) legalização da maconha; e)
legalização das drogas em geral; f) tipos de drogas; usuário e
narcotraficantes; g) eficácia das penitenciárias na recuperação das
pessoas; h) comentários sobre o evento Comandos; i) casos jurídicos
interessantes/esclarecedores sobre drogas; j) pessoa com deficiência,
idoso, adolescente, bem como outros que integram os grupos sociais
vulneráveis e as drogas; k) acessibilidade, oportunidade e direito de
igualdade dentro do contexto; ...

3. Comando: Dra. Deborah Prates.

4. Entrevistado: Dr. Wanderley Rebello de Oliveira Filho.

4.1. Breve currículo: Dr. Wanderley Rebello de Oliveira Filho é
Conselheiro da OAB/RJ; Presidente da Comissão de Políticas sobre Drogas
da OAB/RJ e da OAB/Barra da Tijuca.

5. Duração: 60 (sessenta) minutos aproximadamente.

6. Transmissão: O evento será transmitido pela Rádio Contraponto e, para
ouvir e participar basta clicar no link: www.exaluibc.org.br:8002/stream

7. Participação/inteiração: Os ouvintes poderão participar do programa
através do e-mail: acessibilidadeemfoco@globomail.com
Deixem seus posicionamentos/reflexões, perguntas, sugestões, etc.

***

Reflitam sobre o pensamento de Albert Einsten:

"O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que
fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal
acontecer."

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Convidados esquecidos! COMUNHÃO?


CONVIDADOS ESQUECIDOS!


COMUNHÃO?

 


 
 
Descrição da foto para DV’s: Foto do Papa Francisco de meio corpo, falando no microfone. Ele está de branco, com o braço esquerdo levantado dando ênfase no seu discurso. Atrás dele há uma grande cadeira estofada em creme.
 
 

                        Pós altos e baixos disse o nosso prefeito Eduardo Paes: "Nota mil ao Papa e zero aos demais ..."

 

                        Vendo, com meus olhos cegos, a representação do sofrimento e morte de Cristo encenado em 14 atos/palco, na praia de Copacabana/RJ, num dos pontos altos da JMJ, constatei na encenação 9, o anúncio de 20 cadeirantes. Imaginei ter ouvido mal. Mas se várias emissoras estavam assim informando era sinal de que os organizadores da JMJ passaram esse script.

 

                        Meia confusa tentei arrumar o pensamento. Em encenação posterior a mídia narrava a presença de surdos. Perplexa fiquei ao ouvir uma repórter repetir incansavelmente que tratava-se de SURDO/MUDO! Ora, pelo amor do Criador, ninguém é mudo! Todos os seres humanos, de algum modo, tem a capacidade de se comunicar/falar! Inacreditável constatar em 2013, a manutenção de um olhar assistencialista para com a pessoa com deficiência!

 

                        Ouvi, ainda, a mídia dizer "pessoas portadoras de deficiências" e muitas outras expressões erradas. Faltam palestras para capacitação dos profissionais!

 

                        Sabido é que onde se inclui um, dois... significa dizer que os demais estão EXCLUÍDOS. É ou não é? Vamos admitir o argumento de sorteio; tudo bem. Mas no bingo da vida só havia o mesmo número? Cristo tratava cada qual de maneira singular. Genérico? Só em bulas de remédios.

 

                        Precisariam os Srs. organizadores balançar com mais justiça o saco das peças. Será que não foi localizado nenhum pintor que use o pincel na boca; nem cantor sem braços e pernas? Para a festa/comunhão de Cristo esses "detalhes" passaram desapercebidos pelos servos!

 

                        Daí foi que fiquei refletindo como a Igreja continua piedosa/excludente relativamente a pessoa com deficiência. A Santa Igreja nos integrou genericamente, contudo, NÃO incluiu! Continuamos a ser o GLACÊ DO BOLO! (confiram em: http://deborahpratesinclui.blogspot.com.br/2013/03/bolo-sem-glace.html)

 

                        A Igreja católica perdeu grande chance de mostrar ao planeta que as DIVERSIDADES existem no viver diário como são e não como a coletividade gostaria que fossem. Ao invés dos anunciados 20 cadeirantes, poderiam os organizadores terem anunciado/incluído 19 outros humanos para representar tantas mais pessoas que sofrem a dor do terrível preconceito e consequente discriminação. De quem falo? Dos cadeirantes; cegos; surdos (que não são mudos); deficientes intelectuais; muletantes; pessoas com nanismo e gigantismo; irmãos vítimas de diversos acidentes genéticos, apresentando, por ilustração, o corpo coberto por longos e densos pelos, pessoas com um lado do corpo demasiadamente maior que o outro, protuberância nas costas dando aparência de tartaruga, semelhantes que têm que andar com o corpo coberto de ataduras ante a má formação da pele; humanos sem um dos membros, obesos, ... Todos são igualmente seres humanos! A lista de convidados restou incompleta!

 

                        Verdadeiramente sofremos o fenômeno da INVISIBILIDADE!

 

                        Quem é o CEGO nessa história toda? Lembre-se que ela é sua e minha também!

 

                        A sociedade não está preparada para o trato com essas diferenças, pelo que, vergonhosamente, EXCLUEM esses irmãos do convívio social. Faltam a esses seguimentos, tão discriminados, amor, carinho, trabalho, oportunidade a VIVER dignamente!

...

                        Maravilhoso se tivéssemos tido, nesse 9º palco, um cadeirante e mais 19 seres humanos representando o maior número possível dos que integram os grupos sociais vulneráveis, não acham?

 

                        Fui dar uma breve relida nas escrituras sagradas. Eis o resultado da busca em Lucas, Capítulo XIV, versículos "16 a 24". Conta Lucas:

 

                        "16. Jesus respondeu: "Um homem deu grande banquete, e convidou muitas pessoas.

 

                        17. Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: 'Venham, pois tudo está pronto'.

 

                        18. Mas todos, um a um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse: 'Comprei um campo, e preciso ir vê-lo. Peço-lhe que aceite minhas desculpas'.

 

                        19. Outro disse: 'Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-las. Peço-lhe que aceite minhas desculpas'.

 

                        20. Um terceiro disse: 'Acabo de me casar e, por isso, não posso ir'.

 

                        21. O empregado voltou, e contou tudo ao patrão. Então o dono da casa ficou muito zangado, e disse ao empregado: 'Saia depressa pelas praças e ruas da cidade. Traga para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os mancos'.

 

                        22. O empregado disse: 'Senhor, o que mandaste fazer, foi feito, e ainda há lugar'.

 

                        23. O patrão disse ao empregado: 'Saia pelas estradas e caminhos, e faça as pessoas virem aqui, para que a casa fique cheia

 

                        24. Pois eu digo a vocês: nenhum daqueles que foram convidados vai provar do meu banquete'."

 

                        Quando li a palavra CAMPO, arrepiei! Trazendo o texto para o presente lembrei do CAMPO DA FÉ! Seria Guaratiba previsto por Lucas?

 

                        Sinceramente esperei, a todo tempo, que o "Dono da Casa", melhor dizendo o Papa Francisco trouxesse o contexto a ordem. Lamentavelmente não aconteceu!

 

                        Tenho para mim que a comunhão na festa de 26/7/2013, valendo dizer a ceia do Senhor Jesus Cristo, em Copacabana, não trouxera todos os convidados ordenados.

 

                        Como simples mortal, dou ao nosso "Francisco" nota 999, dentro dos 1000 atribuídos por Eduardo Paes. Certamente, dentro da generosidade do nosso Pedro, alguns convidados foram excluídos INOCENTEMENTE. Estou convicta que tudo fluiu na pressão dos sucessivos erros, economia na realização do campo da fé, chuva, vento frio, emoção ...

 

                        No século XXI, traduzo o cajado do pastor pela palavra microfone para a condução das ovelhas/rebanho.

 

                        Bem poderia, no poder do microfone, o Papa ter feito um comentário nessa encenação, de modo a INCLUIR toda a DIVERSIDADE que, majestosamente, compõe a Terra! Em sua infinita generosidade, óbvio que não foi por mal!

 

                        Aprendemos a ser misericordiosos. Desde a sua eleição foi que o nosso "Francisco" solicita a todos nós que oremos por ele. Somos todos humanos e falíveis de erros!

 

                        Igualmente aprendemos que a humildade é uma das grandes virtudes. Teríamos que ser mais submissos e pacientes aos sofrimentos /desventuras da vida? Aguentar calados desembargadores separando a dupla usuário/cão-guia; médicos ginecologistas que não sabem atender mulheres cadeirantes; jornalistas anunciando surdos MUDOS; empresários colocando seu comércio sobre piso-guia; professores despreparados para o trato com alunos deficientes; taxistas se recusando a levar cadeiras de rodas; JMJ ignorando o versículo 21 acima citado. Havia pessoa com nanismo em algum palco?

 

                        Por favor, não me venham com a velha máxima de que todos, - implicitamente - foram contemplados! Cada ser é ímpar, singular, pelo que os tratamentos hão que ser condizentes com o exemplo de Cristo.

 

                        Estagnada é como está a humanidade! "Francisco", assim como eu, quer o diálogo entre os povos, independente de sua religião. É o que estou fazendo na presente crônica; conversando com a sociedade acerca da injustiça que constatei.

 

                        Cristo é tão contundente na história da humanidade que o calendário se divide antes e depois dele. A fé de Cristo é incomensurável. Deu sua vida para salvar a humanidade. Jamais se CALOU diante das injustiças. Sei que Cristo não quer que sejamos MORNOS!

 

                        Acessibilidade ATITUDINAL é a chave do sucesso para um planeta com mais justiça para todos. Mudemos os nossos maus hábitos pra ontem!

 

                        Ah, pensaram que eu já ia me despedir sem falar nessa expressão mágica, né? Nunca.

 

                        O Papa, em várias falas, clamou que não percamos a fé, nem a esperança por um mundo melhor. É nesse espírito de militância em prol de maiores oportunidades para os que compõe os grupos sociais vulneráveis que convido a leitores a arregaçarem às mangas rumo ao AGIGANTAMENTO DA REDE PLANETÁRIA DA SOLIDARIEDADE. Mesmo sozinha luto contra a corrente ...

 

                        Rogo para que Cracóvia tenha sensibilidade para completar a lista dos CONVIDADOS para a JMJ de 2016.

 

Carinhosamente.

 

DEBORAH PRATES

sábado, 20 de julho de 2013

Cérebros Ensacados


 CÉREBROS ENSACADOS!
 
 

     
 

 
 
Descrição da imagem para DV’s: Do lado esquerdo está o contorno em preto no fundo branco de um saco plástico. Do lado direito está um saco de papel pardo vazio. Entre os dois estão as letras “V” e “S”, que significa versus, representando a busca pelo homem sustentável = acessibilidade atitudinal.
 

 
 

        No supermercado, fazendo as compras do mês, certifiquei-me que muitos dos produtos que consumo estão de cara nova; melhor dizendo, embalagens substituídas.

 

        O sabão em pó que vinha em caixa de papelão, agora está acondicionado em sacos plásticos. Um inferno para manuseio! O pior é que instalei na parede uma prateleira quase com as dimensões da caixa padrão do sabão, a qual não agasalha confortavelmente o saco disforme. E as mães dos empresários selvagens sofrem!

 

        Daí passei a notar que outras embalagens seguiram idêntica sorte. Tem sachês para todo gosto! Molhos de tomate, amaciantes para roupas, maioneses, requeijões, patês ... Inacreditável como os eleitos nos anestesiam com tantas atitudes suicidas! Na teoria os governantes estão aí para cuidar dos interesses das pessoas e para as pessoas. E por que permitimos que permaneçam zelando - tão-só - dos seus interesses privados? Você já percebeu esse detalhe?

 

        Faz pouco que assistimos a guerra sacos plásticos X sacolas recicláveis. As Casas legislativas pararam para discutir de quem seria a competência para proibir as sacolas plásticas; humanos brigavam uns com os outros defendendo menos conforto e mais proteção ao planeta; escolas exercitavam seus alunos para, no sentido inverso, convencerem os pais a abandonarem sacos plásticos; cartazes foram levantados com dizeres ABAIXO SACOS PLÁSTICOS, e muito mais. Engraçado foi como eu embarquei nessa história da Carochinha. Daí foi que, ao me deparar com os sacos do meu sabão em pó, foi que lembrei da velha máxima: DE BOAS INTENÇÕES O INFERNO ESTÁ CHEIO!

 

        Ué, mas onde estão aquelas lideranças que defendiam o FIM das sacolas plásticas? Onde se encontram os salvadores do planeta? Verdadeiramente somos TECNUMANOS, consumidores frenéticos idolatrando a cultura da superficialidade.

 

        Nessa vidinha sem propósito, onde existem apenas três verbos, trabalhar, ver e comprar, deixamos que engessassem nosso  pensamento a tal ponto que, se o Senhor nos presenteasse com novo sopro da vida, certamente não conseguiríamos encontrar as nossas partes nesse gigantesco vale de ossos secos em que fora transformada a Terra. Assim, nem para aproveitar outra oportunidade de vida melhor estamos prontos.

 

        Os amigos já pararam para pensar que as PESSOAS estão em falta? Exaurimos o planeta e, em breves lampejos, constatamos que os recursos naturais são finitos, bem como já os extraímos, produzimos, consumimos e, no momento, não sabemos mais como  nos livrar do lixo absurdo que inventamos.

 

        Noutro dia esperando ser chamada para um exame, o médico ordenou que tomasse, pelo menos, 2 litros d'água. Disse-me: - O filtro está ali! Ora, como o cego sabe onde é ALI? Deixando esse mau hábito no trato com a pessoa com deficiência para outra discussão, comecei a ingerir o líquido vital e, obviamente, ficar segurando o mesmo copo descartável para o próximo consumo. Semelhantes que estavam em similar situação trocavam seus copos a cada ingestão, a ponto de poder ouvir o material escorregar pelo chão ante a lotação do lixo. Absurdo! A desculpa? Estou pagando ...

 

        Pois é, pagando para destruir o planeta! Vejamos os lixos gerados pelas caixas do tipo "longa vida, depois que consumimos o suco, por ilustração. São compostas de três camadas; papelão, alumínio e plástico e sabemos que não são recicláveis. Logo, despejadas nos buracos/aterros levam anos a fio para serem absorvidas pelo planeta.

 

        A nossa felicidade é medida pelo nosso consumo e, pasmem, pelo volume do lixo que produzimos! Paradoxalmente quanto mais compramos e nos desfazemos das coisas mais infelizes ficamos e mais compramos na ânsia de elevarmos o nosso espírito. Mas, e agora que as nossas manifestações ficaram bichadas pela infiltração dos vândalos? Como reclamar diante desse quadro patético? Voltaremos a adormecer? Não!

 

        Estava a sonhar com o passado recente. Será que existe algum empório/armazém onde eu pudesse pedir ao Sr. Silva que me vendesse sabão em pó a granel? E quão romântico seria se, depois de pesado, o velho senhor sacudisse o saco pardo de papel para acomodar o pó, virasse a boca torcendo, com maestria, as duas extremidades de modo a selar com amor ao planeta a embalagem ...

 

        Viram como temos que mudar os nossos maus hábitos para a manutenção da espécie humana? Então, acessibilidade ATITUDINAL é coisa de pessoa com deficiência? Perceberam como é ela a chave do sucesso?

 

        Albert Einsten pensou faz um pedaço: "O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer.".

 

        Tenho medo de voltar a olhar pela fresta da porta ...

 

Carinhosamente.

 

DEBORAH PRATES

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Palestra Deborah Prates - Acessibilidade Atitudinal - 16/07/2013

Convite!


             Queridos amigos do blog Deborah Prates Inclui, convido-os a assistir a palestra que tive a honra de fazer a convite da ABRH/RJ (Associação Brasileira de Recursos Humanos), em 16/07/2013, no auditório da Rio Ônibus, no evento cujo objetivo foi a empregabilidade da pessoa com deficiência. tive o prazer de falar sobre acessibilidade ATITUDINAL. Mudanças de hábitos - tão simples - e que podem dar outro rumo aos destinos de muitos brasileiros que precisam de uma OPORTUNIDADE para terem resguardados os seus DIREITOS HUMANOS. Seguem os links:


Palestra ABRH/RJ: Acessibilidade Atitudinal (parte 1)
http://www.youtube.com/watch?v=LXHE9hI6258&feature=em-upload_owner


Palestra ABRH/RJ: Acessibilidade Atitudinal (parte 2)
http://www.youtube.com/watch?v=viHKNCWSK70&feature=em-upload_owner


Carinhosamente. DEBORAH PRATES + JIMMY PRATES.

domingo, 14 de julho de 2013

Cão-guia Jimmy em seu dia de folga!

video


Aproximando o cão-guia da sociedade. Imagens mostrando que o guia é mais feliz que outros cães. Está sempre na rua se divertindo. — em Aterro do Flamengo

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Crônica sobre a manifestação de 07/07/2013


 CIDADE ACESSÍVEL É PARA TODOS!



 
 
Descrição da imagem: Foto registrando Deborah + Jimmy + Berenice (toda iluminada com leds branco) na manifestação de 07/07/2013 
 

            Éramos pouco mais de 200 pessoas sendo aplaudidas pela galera que assistia a maratona que passava na Av. Atlânticas na RJ. Bacana sentir o envolvimento dos humanos sem deficiência com a nossa reivindicação por uma CIDADE ACESSÍVEL. Foi de arrepiar a energia do sol efervescendo com a nossa!

 

                        Presentes estavam os apitos, chocalhos, cartazes com frases reivindicatórias, vozes ecoando o Hino Nacional, tudo elevado à potência máxima com os nossos semblantes esperançosos por dias mais confortáveis.

 

                        O percurso foi pequeno em respeito aos deficientes que já reclamavam pela fadiga. Tudo aconteceu na medida exata. Derrubamos muros e construímos pontes. Suamos/transpiramos amor e recebemos solidariedade.

 

                                               O povo - unido - saiu às ruas objetivando restaurar a dignidade, cidadania, o amor ao Brasil, etc. No entretanto, não ouvimos UMA só voz a levantar a "bandeira" das acessibilidades. Isso porque, por um equívoco, o verbete acessibilidade ficou vinculado à pessoa COM deficiência. Ao invés de ficarmos reclamando, arregaçamos às mangas e realizamos o grito pelas acessibilidades na manhã de 7/7/2013, sob um céu de brigadeiro, que abraçava a "Princesinha do Mar". Copacabana fervilhava ...

 

                                               Verdadeiramente CIDADE ACESSÍVEL É PARA TODOS, pelo que urge a conscientização do corpo social para esse vital detalhe, que fará toda a diferença.

 

                                               A sociedade, em 2013 - ainda tem pela pessoa com deficiência um olhar assistencialista, o que não se pode mais admitir. Daí é que sofremos com o fenômeno da INVISIBILIDADE. Quando se fala em acessibilidade logo o semelhante diz: - Não sou deficiente; não tenho deficiente na família; não conheço ninguém deficiente, pelo que esse assunto não me interessa. Ledo engano!

 

                                               Por ilustração, uma rampa atende ao idoso; mamãe que leva o seu bebê no carrinho; a dona de casa que traz suas compras num carrinho de feira pesado; ao trabalhador que carrega suas encomendas sobre rodas; aos recém operados; a todos os que passam por uma limitação física temporária; aos cadeirantes, bengalantes, muletantes, etc.

 

                                               Um ônibus, por exemplo, com elevador atende ao idoso que já não tem forças para subir degraus altos; as crianças; as gestantes; aos humanos que passam por limitação física temporária; aos deficientes em geral, etc. Já pensaram que benção se também elevassem o carrinho do bebê, como se vê na Austrália? Imaginem um sistema sonoro informando os pontos de paradas e turísticos em português e inglês, atendendo aos deficientes visuais, pessoas com dificuldades cognitivas, analfabetos e turistas ao mesmo tempo? Maravilha, hein?

 

                                               Um site acessível não só atende aos deficientes visuais, mas aos que ainda usam a Internet discada e/ou com baixa velocidade; aos que não têm muita intimidade com a navegação; aos empresários que vendem produtos virtualmente, etc.

 

                                               Dentre as modalidades de acessibilidade julgo que a mais importante/relevante é a ATITUDINAL. Necessitamos, com urgência, mudar os nossos maus hábitos que estão arraigados em nossos cérebros desde o início da civilização. Imaginem um professor ensinando seus alunos sobre o tema opção sexual, se ele já vem com ideias PREconcebidas? Óbvio que a informação chega viciada/errada. O mestre tem que ser o moderador do conhecimento e não um imperador que dita o que devemos ou não ter como correto, concordam? A conclusão do certo ou errado cabe a cada qual, de sorte que o que precisamos para um Brasil igualitário em oportunidades é - tão-só - do conhecimento em sua essência. Basta de andarmos engessados! Viram como a acessibilidade atitudinal vem antes das demais?

 

                                               Em 2012, foi a "Cidade Maravilhosa" agraciada pela UNESCO, através de seu Comitê do Patrimônio Mundial, com o título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Mas, como esse desastre ocorreu se nem calçadas acessíveis os cariocas têm para andar? Ainda se fosse premiada pelo patrimônio natural, tudo bem! O pior cego é o que não quer ver.

 

                        Na dispersão entrelaçamo-nos com apertados abraços acessíveis e com a promessa mútua de que novos encontros do gênero viriam. Ensinar/educar é sinônimo de repetição e, para chegarmos ao Cristo Redentor, ainda temos muitos degraus a subir!

 

Carinhosamente.

 

DEBORAH PRATES.

sábado, 6 de julho de 2013

"COMANDOS" - Qual a chave do sucesso?


"COMANDOS"

QUAL A CHAVE DO SUCESSO?

 

 
 
Descrição da foto: Deborah Prates aparece no evento "Comandos". Na foto há mais 8 pessoas, todas de pé sorrindo para a câmera. O fundo é composto por chão e meia parede de madeira corrida, ambientação de um palco.
 

                              A fé remove montanhas! A Família é, sem dúvida, o alicerce da humanidade; vamos fortalecê-la?

 

                              Envolvam-se comigo nessa eletrizante aventura responsável. Essa história é minha e sua também!

 

                              Nessa 6ª - 5/7/2013 - tive a honra de participar do evento "COMANDOS", ocorrido no Teatro do Solar Meninos de Luz, na Comunidade do Cantagalo-Pavão, com moradores, convidados envolvidos ou engajados com a temática, policiais da UPP local, universitários, empreendedores sociais e representantes do direito. Formamos um grupo bem bacana com os integrantes da nossa CDH/OAB/RJ, na esperança de agregar forças por uma RJ com maior bem-estar para todos. Quanta energia e adrenalina! Percebia os cérebros férteis para um reflorestamento.

 

                              O que é COMANDOS?

 

                              O Projeto Comandos é um círculo de debates que reúne ex-integrantes das quatro facções do narcotráfico do Rio de Janeiro (Comando Vermelho, Terceiro Comando, ADA e das Milícias) e hoje atuantes nos projetos sociais do Grupo Cultural AfroReggae, com o quinto grupo armado da cidade, a Polícia. Um diálogo possível somente com um trabalho social sólido e o desejo de transformação.

 

                              Frente a frente, sentaram-se a mesa de debates os personagens que protagonizaram os alvoroços do tráfico, para contarem as histórias de criação desses comandos, a dinâmica adotada por cada grupo, suas experiências e as principais diferenças entre eles.

 

                              Visões de mundos opostos se uniram pela crença na educação e transformação social, a partir das experiências refletidas em histórias de vida que contribuem para a formação de uma consciência crítica, e que auxiliam em decisões responsáveis, a partir da criação de possibilidades de discernimento e de perspectiva de futuro.

 

                              Ao lado esquerdo da mesa estavam policiais e então milicianos, ao centro encontrava-se o fundador do AfroReggae, quem seja José Jr., e do lado direito os ex integrantes dos 4 comandos já citados. Na frente da mesa estávamos nós. Muitas narrativas tristes que nos deram um conjunto de conhecimentos relativos à evolução e ao passado recente do nosso Brasil.

 

 

                              Relatos do tipo: Dos 8 filhos só eu dei para bandido ... se tivesse ouvido minha mãe não teria passado por tudo isso; nasci na favela ... meu ideal de vida era ser igual aos traficantes ... eles tinham lindas mulheres, grana, uma geladeira repleta de iogurtes ...; eu era classe média e cursava a faculdade de direito e, por influência de amigos, terminei no tráfico ... minha família sofreu ...; eu fiquei anos na Marinha, depois decidi fazer concurso e entrei para a Polícia ... me envolvi em crimes e terminei preso ... sofri muito ... perdi a Família, amigos ...; na prisão apanhei demais ... quando entrei na sela vi, sem brincadeira, uns dez pendurados pelo pescoço mortos ... achei que seria o próximo ...; cadeia não recupera ninguém ... ao sair não conseguia oportunidade nenhuma de emprego ...

 

                              Nossa, trajetórias horrorosas e a coletividade no meio dessa troca de balas. Policiais contaram como se tornaram milicianos e, do lado direito saiu a indagação: Quem é pior, o bandido ou o policial que de dia age como malfeitor e a noite volta a ser polícia! Nós não éramos nada, mas os policiais puderam escolher! Na plateia pensava: Como meus olhos CEGOS corro do bandido ou da polícia!?

 

                              Moradores da Comunidade perguntavam: Que polícia é essa que nem um bom-dia, boa-noite nos fala? Que policiais são esses que, ao reclamarmos de algo, nos ameaça de prisão? ...

 

                              Por seu turno, policial ousou recuperar parte da nossa história sustentando que a polícia surgiu com a vinda da Família real para o Brasil, com o espírito de protegê-la, bem como as suas jóias. Que, por esses pouco mais de 200 anos, a nossa cultura ainda não absorveu que o foco a ser protegido é a sociedade! Mas, por quanto tempo mais nos permitiremos permanecer anestesiados? Quanto egoísmo.

 

 

                              O conjunto de almas perguntava desesperadamente: Quem é o culpado por todo esse caos social? A resposta foi unânime: O ESTADO. Por que, por amor ao debate, não se fizeram presentes o secretário de segurança/RJ, ou os Srs. Prefeito e/ou Governador?

 

                              O exemplo, em tese, tem que vir do topo da pirâmide. No entretanto, será que os gestores do topo têm essa consciência; ou será que são cruéis mesmo? Julgo seja a primeira hipótese.

 

                              Repito que se o comandante não sabe que erra, como corrigir a rota do navio? Os atuais gestores, verdadeiramente, são as crianças DESEDUCADAS do passado próximo. Como muitos de nós transformaram-se em TECNUMANOS/ANDROIDES. E, nessa figura mentirosa de humano, vêm nos engessando/enlatando dia-a-dia com o nosso consentimento. Faz mais de 200 anos que o capitalismo selvagem nos assola. Vivemos para consumir freneticamente. É uma vida sem sentido. Comprar, comprar, comprar ... Para quê, para quem? A cultura da superficialidade retirou a autonomia do pensamento ...

 

                              O mingau desandou ... sinceramente, não pensei em viver os movimentos nas ruas! Maravilha! Nossos neurônios estariam recebendo novo sopro da vida? Nova oportunidade de recomeçar e, dessa vez, fazer CERTO?

 

                              Claro, não sejamos incrédulos e injustos. Estamos numa situação bem melhor que há 20 anos, ocasião em que imperava a narcoditadura. Seria um genocídio um evento como o Comandos! Vamos avançando.

 

                              A palavra da hora é OPORTUNIDADE. Porém, para viabilizar esse ideal é imprescindível termos as, tão sonhadas, ACESSIBILIDADES. Sem acessibilidade não temos oportunidade e, consequentemente, esvazia-se a chance do constitucional DIREITO DE IGUALDADE. Precisamos ou não mudar os nossos MAUS HÁBITOS? Mudanças de hábitos são lentas, pelo que estávamos atrasados na partida. Mas, antes tarde que nunca, né?

 

                              Quanto orgulho/emoção senti ao abraçar a Sra. Iolanda, que há 30 anos teve a audácia de acreditar no ser humano e, nesse sonho, fundar a Organização Solar Meninos de Luz, que recebe as crianças da comunidade a partir dos 3 meses de idade. Que ser majestoso é o irmão José Jr., que há 20 ousou enfrentar a sociedade fundando o grupo AfroReggae. Esses dois cérebros oxigenados, sob o mesmo foco, acreditaram no poder transformador de boas ações sociais e investiram nas OPORTUNIDADES.

 

                              Sem medo da felicidade, arregaçaram às mangas e - também - nos deram a OPORTUNIDADE de participar do projeto COMANDOS. Nessa REDE DA SOLIDARIEDADE é que estou compartilhando com os amigos essa chance de construção de futuro melhor, partindo do conhecimento do passado lamentável.

 

                              Talvez a Sra. Iolanda e o humano José Jr. não tenham se dado conta de que exercitaram, com maestria, a principal das acessibilidades, a ATITUDINAL!

 

 

                              Será que os amigos leitores captaram o que vem a ser a ACESSIBILIDADE ATITUDINAL? Compartilhem com seus contatos as ações da Sra. Iolanda e do irmão José Jr.!

 

Carinhosamente.

 

DEBORAH PRATES.